Feeds:
Artigos
Comentários


image001


Inauguração 13 de Abril | 16h00

ENTRADA LIVRE

(Inserida na programação das comemorações dos 40 anos do 25 de Abril)

cartaz final

No ano em que se comemoram os 40 anos da Revolução de Abril, a Câmara Municipal do Barreiro inaugura, no dia 13 de Abril, pelas 16h00, a exposição de fotografia “Liberdade, Abril/Maio 1974” do fotógrafo Eduardo Gageiro. A exposição terá lugar no Auditório Municipal Augusto Cabrita, no Barreiro.

 

Considerado o maior fotojornalista português, Eduardo Gageiro iniciou o seu percurso em 1957 como repórter fotográfico. A partir de então, trabalhou em várias entidades de renome e começou a expor, a título individual e coletivo, a partir de 1967. Conta com mais de 300 prémios ganhos em todo o mundo, incluindo um 1º Prémio, atribuído na China, com uma fotografia do Barreiro.Para além disso, publicou 16 livros, com textos de diversos autores portugueses.

 

A iniciativa, inserida no âmbito das comemorações dos 40 anos da Revolução dos Cravos, consiste num conjunto de imagens captadas por Eduardo Gageiro, no período em questão.

 

A exposição estará patente ao público até ao dia 25 de Maio.

 

***

 

Para mais informações:

 

Auditório Municipal Augusto Cabrita

Av. Escola dos Fuzileiros Navais | Parque da Cidade

2830-150 Barreiro

 

212 147 410 / cultura@cm-barreiro.pt

http://barreiroamac.wordpress.com/

http://www.cm-barreiro.pt/


LOCAL: Auditório Municipal Augusto Cabrita

Oficina de ilustração, histórias e ecologia

Duração: 2 horas

Atividade gratuita, mediante inscrição prévia
Limite de 15 inscrições

16Preparac¦ºa¦âo FestaY

 

De quantas imagens é feita uma ideia?
Como posso ilustrar uma ideia, uma intenção e um manifesto?
Oficina de exploração plástica e consciência ecológica a partir da criação de ideias individuais e coletivas dentro da exposição e do livro Yara-Iara.

***

SINOPSE:
A história da Yara-Iara contada pela autora como se fosse uma viagem em família. Deixaremos a cidade do Barreiro bem cedinho para chegarmos à Floresta Amazónia. Iremos de barco espreitando as surpresas que se escondem atrás das árvores. Levaremos os olhos bem abertos para registarmos as pequenas grandes coisas!

 

 

IMG_20140213_175509

 

Recorde-se que Margarida Botelho e Mário Rainha Campos estiveram na aldeia indígena de Kararaô, no Estado do Pará, em 2012, a desenvolver um trabalho, no âmbito do projeto “Encontros”. Os dois arte-educadores deslocaram-se a este local isolado e trabalharam com 15 crianças, dos quatro aos 12 anos, no sentido de perceber a sua sensibilidade estética, e qual a sua relação com a natureza, através dos seus desenhos.

De salientar que este trabalho decorreu aquando várias aldeias indígenas da Amazónia estavam ameaçadas pela construção da central hidroelétrica de Belo Monte, provocando a deslocação de muitas comunidades indígenas, num período de conflito ambiental e social.

***

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES:
Contactos: 21 214 74 10/11, ou bilheteira@cm-barreiro.pt

 

 


Dinamização da história do livro “YARA-IARA” pela artista Margarida Botelho

Público-alvo: Famílias com crianças entre os 2 e os 5/6 anos
Limite máximo: 15 crianças, acompanhadas

LOCAL: Auditório Municipal Augusto Cabrita | Barreiro

Atividade gratuita, mediante inscrição prévia

animação história

***

SINOPSE:
A história da Yara-Iara contada pela autora como se fosse uma viagem em família. Deixaremos a cidade do Barreiro bem cedinho para chegarmos à Floresta Amazónia. Iremos de barco espreitando as surpresas que se escondem atrás das árvores. Levaremos os olhos bem abertos para registarmos as pequenas grandes coisas!

Recorde-se que Margarida Botelho e Mário Rainha Campos estiveram na aldeia indígena de Kararaô, no Estado do Pará, em 2012, a desenvolver um trabalho, no âmbito do projeto “Encontros”. Os dois arte-educadores deslocaram-se a este local isolado e trabalharam com 15 crianças, dos quatro aos 12 anos, no sentido de perceber a sua sensibilidade estética, e qual a sua relação com a natureza, através dos seus desenhos.

De salientar que este trabalho decorreu aquando várias aldeias indígenas da Amazónia estavam ameaçadas pela construção da central hidroelétrica de Belo Monte, provocando a deslocação de muitas comunidades indígenas, num período de conflito ambiental e social.

16Preparac¦ºa¦âo FestaY

***

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES:
Contactos: 21 214 74 10/11, ou bilheteira@cm-barreiro.pt


workshop de serigrafia_março 2014 

***

SINOPSE:

A actividade consiste numa introdução à técnica da serigrafia. O curso pretende fornecer uma introdução conceptual a esta prática, abordar os principais tipos de processos serigráficos existentes e  efectuar uma demonstração prática do processo. Há a possibilidade de os formandos (na parte da tarde) desenvolverem trabalhos próprios.

 ***

3 Modalidades de pagamento opcionais:

MANHÃ (10h-13h) – 25 € – Explicação e demonstração do processo

MANHÃ E TARDE (10h-13h / 14h às 19h) – 75 €

TARDE (14h às 19h) – 60 € – Impressão de trabalho individual próprio

 ***

Organização: Oficina do Cego, com o apoio do Atelie Municipal do Barreiro / Câmara Municipal do Barreiro

Inscrições: ocformacao@gmail.com


JJB Conferencia de Abertura


Dead Combo_Imagem JPEG

Local: Auditório Municipal Augusto Cabrita

Preço dos ingressos:
- Plateia – 12,50€
- Frisa – 10,00€

Reservas e venda na bilheteira do Auditório, de 3ª a domingo das 14h00 às 20h00 – Tel. 21 214 74 10

***

Depois de um 2013 inesquecível, marcado pelas comemorações de uma década de carreira, os Dead Combo estão de volta aos álbuns: «A Bunch of Meninos» vai ser editado, pela Universal Portugal, no dia 10 de Março.
Para apresentar o novo registo, a dupla de Tó Trips e Pedro Gonçalves faz as malas e parte para uma digressão nacional, que arranca no dia 8 de Março, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, e que se estenderá até ao próximo mês de Junho. Com passagem garantida pelos principais teatros portugueses, este périplo dos Dead Combo terá como momento especial o concerto de 21 de Março, onde, em formato intimista e para uma plateia com lotação limitada, a dupla irá, literalmente, ocupar o palco do Coliseu dos Recreios, uma das mais emblemáticas salas do país.

Composto por 13 novas canções, assinadas integralmente por Tó Trips e Pedro Gonçalves, «A Bunch of Meninos» foi gravado em Setembro de 2013, nos Atlantic Blue Studios. Produzido por Hélder Nelson e pelos Dead Combo, o álbum conta com as participações especiais de Alexandre Frazão (bateria e percussão) e António Sérginho (percussão).

teaser do novo CD: http://www.youtube.com/watch?v=xUHaNbDHyW8

 

«A Bunch of Meninos» é a narração de uma aventura de perseguição e sobrevivência, misto de dura realidade e estranho sonho, passado numa qualquer cidade sinuosa e cinzenta, como fica demonstrado no texto de Pedro Gonçalves que acompanha o disco: «Saíram pela porta das traseiras, no meio do espesso nevoeiro que se tinha colado à pele da cidade. A já ténue luz das ruas transformara-se em fantasmas que desapareciam. Eu fiquei sentada na poltrona cor de sangue, apontando o revólver àquela cambada de meninos. Eram seis, mal encarados, bem vestidos, mal cheirosos, lacaios como sempre. Enquanto eles os dois corriam pelas ruas em direcção ao infinito, eu mantinha-os à distância de uma bala. Depois entrou o de bigode, o mexicano do casaco de pele de coelho. Foi quando partiram os seis em busca deles. “Tus amigos…. Esos que se hacen llamar músicos, están muertos!” – disse. Ri-me. Levantei-me e saí. Dias mais tarde, encontrámo-nos num hotel distante e celebrámos termos escapado vivos daquele buraco em que se tinha transformado a cidade. “A Bunch of Meninos”, gritávamos, enquanto esvaziávamos mais uma garrafa. Quando acordei, com o sol a rasgar o branco das cortinas, estava só, mais uma vez…»

Donos de um percurso de sucesso único, o quinto álbum de originais dos Dead Combo, que sucede ao aclamado «Lisboa Mulata», de 2011, promete levar esta jornada a outro patamar.

 

 

 

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 5.131 outros seguidores